Filmes a não perder este mês Conheça o que de melhor se fez na sétima arte para assistir já

03 JUL 2018
03 de Julho de 2018

Elas estão de volta!

Em julho voltamos a cantar de pulmões abertos os êxitos dos ABBA na sequela Mamma Mia: Lá Vamos Nós de Novo!, com Amanda Seyfried, Meryl Streep e Lily James como leading ladies. O filme, que conta com a atuação de Cher, faz uma viagem até ao passado para descobrir como Donna (Meryl) conheceu os possíveis pais de Sophie (Amanda) e a história de ambas é contada em paralelo (estreia a 19 de julho).

Num outro contexto, a biografia da escritora britânica do século XIX Mary Wollstonecraft Godwin (autora do romance gótico Frankenstein), bem como da sua controversa história de amor com Percy Blysshe Shelley, é levada ao grande ecrã pela cineasta Haifaa Al-Mansour, no filme Mary Shelley. Elle Fanning foi a eleita para vestir a pele desta mulher feminista e determinada e contracena com Maisie Williams e Ben Hardy (28 de junho).

No filme de ação e ficção científica Hotel Artemis, Jodie Foster é a enfermeira-chefe à frente de um hospital para criminosos, em Los Angeles, no ano de 2028. É a estreia de Drew Pearce como realizador e o regresso da carismática Foster ao grande ecrã, após cinco anos de ausência (a 5 de julho).

Num registo igualmente ‘criminal’, a história da ascensão e queda do famoso barão da droga colombiano Pablo Escobar Gaviria (Javier Bardem), fundador do cartel de Medellín, é contada em Amar Pablo, Odiar Escobar pela sua excêntrica amante, a jornalista Virgínia Vallejo (Penélope Cruz). O filme, que passou pelo Festival de Veneza e pelo Festival de Toronto, é dirigido pelo premiado realizador Fernando Leon de Aranoa, conhecido por se debruçar sobre dramas sociopolíticos (a 12 de julho).

Aclamado pela crítica e escrito e realizado por Paul Schrader, um dos precursores do cinema moderno, First Reformed coloca Ethan Hawke no papel de Ernst Toller, um pastor a liderar uma igreja holandesa a norte de Nova Iorque. Com uma vida atormentada pela morte do filho, Toller vê-se a braços com o perigo neste thriller quando uma discípula grávida (Amanda Seyfried) lhe pede para ajudar o marido, que é ambientalista radical (estreia a 12 de julho).

 Uma protagonista nata, Saoirse Ronan contracena com Billy Howle no filme Na Praia de Chesil e ambos dão contornos trágicos a uma história de amor passada em 1962 em torno de um casal recém-casado que passa a lua-de-mel numa praia deserta, em Dorset. É uma adaptação de um romance de Ian McEwan que nos fala, acima de tudo, da repressão sexual antes dos Swinging Sixties (a 26 de julho).

Saiba mais.

Voltar


Tenha você também a sua rádio